Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



SOBREVIVÊNCIA(S)

Segunda-feira, 08.06.09

Não vive como as mais das vezes,

Quando as palavras se lhe derramavam

Na fluidez dos ponteiros do tempo.

Procura-as, agora,

Na improbabilidade do que dispensou

No sempre de um espaço

Que persiste naquele ressurgimento

Ténue como um reflexo distorcido.

Sabe-se sem se saber

Na incompletude da sua memória.

Os acasos ficaram pelo caminho

Atrás do muro

Que nenhuma ponte, agora, atravessa.

Persiste, mas pouco.

Reconstrói quase nada.

Emenda-se constantemente.

Equilibra-se no desequilíbrio

Das fronteiras que surgiram contra-natura.

Hoje, porque amanhã…

Quando é?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria João Brito de Sousa às 15:46


1 comentário

De Fisga a 10.06.2009 às 17:04

Agora que já estás uma flor, Comparada com o que já estiveste, é que estás a recordar águas passadas? lembra-te que Lisboa é sempre em frente, nunca para trás. Abraço Eduardo.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.








comentários recentes




subscrever feeds