Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O DOM DA PERMANÊNCIA

Quarta-feira, 30.04.14

 

A mulher recebe.

Firme como a rocha,

Recebe

Exactamente

Quem mereça ser recebido.

 

Ainda não é velha…

Mas parece

(digo; APARECE…)

 

Cabelos mais sal do que pimenta,

Olhar que amedronta

Exactamente

Quem mereça ser amedrontado,

A mulher

Aguenta-se sozinha,

Canta,

Resiste,

E escreve

Movida a coca-cola

(digo;

COLA DIET,

marca branca,

sem açúcar, nem cafeína)

A ESCOLHA ACERTADA

(diz a Deco,

Digo; o ECO)

 

A mulher é como os gatos;

Paciente e indomável,

 

Como as muralhas;

Dura e inexpugnável,

 

Como as árvores;

Firme e produtiva.

 

Persiste,

Cria raízes,

Firma-se-lhe o tronco,

Multiplica-se em frutos

POR MAIS QUE

AS HORAS MORRAM DEVAGAR!

 

Não se gasta,

Gasta à vontade

(digo; A VONTADE)

Acende e mata

O suave português

(digo; PORTUGUÊS SUAVE...

AZUL, SE FAZ FAVOR!)

 

Veste-se

Como se se não vestisse

E invade as ausências

Com inquietante quietude.

 

A mulher está.

Está a mais,

Está demasiado,

Incomoda.

 

 

Pontual,

A mulher sai…

Mas permanece.

(digo; FICA!)

 

 

Maria João Brito de Sousa – Janeiro 2000

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria João Brito de Sousa às 20:49







posts recentes


comentários recentes


Posts mais comentados